Páginas

segunda-feira, 17 de setembro de 2012

Tempos difíceis

O “Jornal de notícias” deixa uma mensagem a que ninguém pode ficar indiferente. A Cáritas recebe, por hora, 15 novos pedidos de ajuda, o que equivale a 64.500 pessoas no espaço de 6 meses.
Mesmo estando a par da actualidade nacional não deixo de ficar chocada com este facto e impressiona-me quando a nossa televisão tenta desviar a atenção da maioria.
Esta notícia sai no dia seguinte à estreia de mais um programa a “Casa dos Segredos” onde o falso glamour, os vestidos de gala feitos de plástico, as maquilhagens exageradas e o desejo de dinheiro e fama fáceis estão explícitos durante todo o programa.
Na última edição não resisti à telenovela Cátia e Companhia e a todas aquelas conversas básicas que me deixavam de boca aberta mas ontem, nem 5 minutos consegui. COMO É QUE É POSSÍVEL, o país à beira de um colapso, multidões nas ruas e um grupo de pessoas tem coragem de produzir uma ilusão que distrai o público que assiste e ilude os pobres coitados que concordam em estar 3 meses expostos? E para quê?
Não será desmoralizante para aqueles que afirmam não terem dinheiro para pagar os livros dos filhos, que estão desempregados há anos e que trabalhariam dias seguidos para viverem com melhores condições?
Sei que o meu discurso de 2ªfeira de manhã deveria ser outro mas não consigo. Apesar de ter um trabalho estável e, por enquanto, não ter motivos para me queixar, sou solidária com todas aquelas pessoas que estão no limite das forças para vencer esta – esperemos que assim seja – fase.

1 comentário:

  1. É real este desespero... O país está farto de ser apelidado de "povo pacifíco e de brandos costumes" com quem os sucessivos governantes gozam e vem dar discursos de seres exemplares versus um povo que gasta demais. Povo este que "tem" culpa por estas medidas de austeridade, não são mais do que politícas de economia e de liberalismo selvagem!
    Sopre o vento de mudança e venha a revolução porque o povo português ainda tem dignidade! E deve ser orgulhoso, sempre, daquilo que é: um povo pacífico, afável e forte... É necessário que o governo português pare de gastar dinheiro se já não o há.
    Nós não contraímos esta dívida. Alguns vivem sem escrúpulos com dinheiros que nunca mereceram, nem nunca ganharam.
    Venha a vergonha e a justiça! Que caia sobre os ladrões, ilusionistas e mentirosos!
    Venha a revolução!

    ResponderEliminar